Bom dia Vietname!

Ho Chi Minh e viagem ao delta do Mekong

Ho Chi Minh, tal como Bankok na Tailândia, não é a melhor introdução ao que o Vietnam tem para oferecer. Mas é um ponto de entrada conveniente para quem vem do Cambodja. Tal como outras metrópoles no sudeste asiático, o caos, trânsito e barulho deixaram-nos mais uma vez ansiosos por seguir viagem. Marcámos uma viagem organizada de um dia para o delta do rio Mekong, à espera de alguma paz e natureza, mesmo sabendo que não se ia comparar ao Delta do Okavango.

A viagem foi uma desilusão, porque as principais paragens foram em lojas que nos queriam impingir algum produto, a viagem de barco que estava incluida era num canal do rio onde só viajavam barcos de turistas no mesmo tipo de excursão que a nossa… De volta a Ho Chi Minh, demos uma volta pelo centro e fomos ao War Remnants Museum.

O museu é muito maior do que estávamos à espera, portanto não tivemos tempo suficiente para ver tudo. Tem uma colecção muito boa, especialmente de fotografias, sobre a guerra do Vietname e o crescendo da intervenção dos EUA. Aprendemos também sobre o uso intensivo de químicos de desflorestação usados pelos EUA, o mais famoso dos quais é chamado “Agent Orange”. Estes químicos deixaram um impacto negativo enorme na saúde das pessoas expostas, e hoje em dia ainda há crianças que nascem com deficiências por causa do efeito desses químicos.

A catedral de Notre Dame, onde fomos à missa (embora fosse em Vietnamita!) De qualquer modo foi uma boa experiência, nem que seja pelos belos cânticos líturgicos.
A câmara municipal à noite.
Não conseguimos deixar de reparar nas quantidades incríveis de plástico, até na borda do rio Mekong. É tão triste…
Como parte da nossa tour no delta do Mekong, fomos transportados por pequenos barcos a remos. Foi demasiado turístico e forçado para o nosso gosto.

Na nossa viagem ao delta do rio Mekong também estava incluída a visita a um templo onde estava mais um Buddha gigante sentado.
O exército dos EUA estava em quase todo o lado no Vietname. No expoente máximo da intervenção, estavam cá mais de 500.000 soldados!
No Vietname foram cometidos muitos crimes de guerra. Um número enorme de vidas inocentes foram perdidas… Para quê?!
Em frente ao edifício principal há uma exposição de aviões de combate e de tanques.

Depois de Phnom Penh e Ho Chi Minh, e termos sido informados sobre a morte e destruição causados pelo Khmer Rouge no Cambodja e pelos Americanos no Vietname, a nossa fé na humanidade estava muito em baixo.

Mui Ne

Apanhámos o autocarro para Mui Ne, e ficámos duas noites. Muito mais calmo que as grandes cidades, foi uma lufada de ar fresco. Um paraíso para kitesurfers, a praia era ventosa demais para se ficar a fazer praia, mas a tour às dunas e ao riacho foi um bom contraste com os templos e museus dos dias anteriores.

O Fairy stream: uma colorida formação geológica ao longo de um riacho.
À volta da vila dos pescadores é possível ver centenas de pequenos barcos como estes (incluindo os que parecem uma banheira redonda!)
As dunas de areia branca.
As dunas de areia vermelha, onde esperámos pelo pôr do sol
Infelizmente, mais do mesmo: plástico na praia de Mui Ne.

Sem mais nada para fazer numa praia ventosa (por não sabermos fazer kitesurf), fomos para a próxima paragem no nosso roteiro, Nha Trang.

 

Nha Trang

Seguindo a recomendação do nosso guia, ficámos no Mojzo Inn, um hotel excelente e o melhor até agora na viagem. Muito maior que Mui Ne, cheio de arranha céus em frente a uma praia, voltou a sensação de caos das grandes cidades, mas não o suficiente para ser desagradável.

Hon Chong em Nha Trang.
As torres Po Nagar Cham: construídas entre os séculos 7 e 12. Apenas 4 das 8 torres originais restam, e ainda são usadas para orações pela tribo Cham, Budistas Vietnamitas e Chineses.
Uma das (menos populares) praias de Nha Trang.
Long Son Pagoda.

Como era de esperar, a praia estava cheia de lixo e pouco convidativa para um mergulho. Apanhámos plástico suficiente num dos nossos passeios para encher um saco grande, e foi uma experiência muito curiosa. Houve: 5 pessoas que nos apoiaram; 3 pessoas que apanharam também algum plástico para nos ajudar; 1 pessoa que apanhou o pacote de cigarros que tinha acabado de atirar para a areia; mais de 300 pessoas que olharam para nós curiosas. O maior impacto da nossa pequena acção foi fazer as pessoas pensarem sobre o plástico que atiram para o chão. Se apenas uma delas deixar de atirar o lixo para o chão, ao longo de uma vida é muito mais plástico do que o que nós conseguinhos apanhar em meia hora! Foi por isso que foi bom fazer isto numa praia com tanta gente! Como Nha Trang ainda não era o Vietname que procurávamos, passado duas noites seguimos para Hoi An.

 

Hoi An

Hoi An foi a primeira cidade no Vietname da qual podemos dizer que gostámos! Nada de prédios enormes, fácil de andar de bicicleta, pequena, cerveja a 20 cêntimos… Hoi An é muito fixe tanto de noite como de dia. Os templos de My Son são impressionantes, especialmente por causa da destruição que sofreram com os bombardeamentos Americanos. As lanternas dentro e fora do rio são muito bonitas, e há uma calmia na cidade que achámos impossível nesta parte do mundo.

Uma vez em Hoi An dá para ir de bicicleta para todo o lado. O nosso alojamento até nos deixou usar bicicletas de borla!
Os templos de My Son: fizemos uma visita guiada e valeu muito a pena! Aqui é possível visitar os vestígios mais importantes do antigo império Cham. Atualmente é património da Unesco.

As lanternas em Hoi An são de diferentes formas e cores. À noite transformam a cidade e sentimo-nos como num conto de fadas.

Japanese Covered Bridge: the first one was constructed here in the 1590s by the Japanese community.

Hoi An Cathedral: where we went to the mass (this time in english)!

O Assembly Hall of the Fujian Chinese Congregation: Originalmente um salão de reuniões, foi transformado num templo para venerar Thien Hau, uma divindade da provincia Fujian.

A melhor parte, no entanto, foi uma sandes! A Bahn Mi servida no centro da cidade, trazida para a fama pelo recentemente falecido Anthony Bourdain, é de chorar por mais. Nestes últimos dias, quando tenho fome os meus pensamentos vão de novo para essa sandes, que comemos 3 vezes nas nossas duas noites em Hoi An!

Banh Mi Phuong: o sítio com as melhores sandes que comemos na nossa vida!

João and Margarida

P.S. O título deste post foi retirado do famoso filme “Good morning Vietnam”, que recomendamos que vejam.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *