A vida ao contrário

A vida passa ao contrário.

O que queres dizer com a vida passa ao contrário?

Este pensamento ocorreu-me pela primeira vez na minha vida de estudante, provavelmente alguns anos antes da universidade. Naquela altura quando temos que fazer uma das escolhas mais importantes da nossa vida: o que é que eu quero ser? Médico? Engenheiro? Artista? Técnico? A lista não tem fim, mas a sociedade pressiona-nos para escolher uma.

Foi certamente durante os dias passados a sonhar acordado acerca dessa escolha, que eu comecei a discordar do Status quo. E se eu não gostasse da minha escolha? E se eu escolhi mal?

Contudo, tinha que escolher algo, portanto estudei engenharia aeroespacial (a razão dessa escolha é assunto para um futuro post). Enquanto estive na universidade continuei a pensar “o que virá a seguir?”. Vou terminar o curso, encontrar um emprego e trabalhar até aos 67 (ou a idade da reforma que for na altura). Basicamente tenho que fazer sempre a mesma coisa 5 dias por semana? Durante 40 anos?

Apenas me parece errado a mim?

Portanto os meus pensamentos de que a vida passa ao contrário começaram realmente a tomar forma. Quando és jovem tens tempo e saúde mas não tens dinheiro. Durante os anos de trabalho tens saúde e dinheiro, mas não tens tempo. Quando chegas à reforma, tens dinheiro e tempo, mas já não tens saúde para os aproveitar.

Como se quebra este ciclo?

Há com certeza várias maneiras, mas eu tentei ir primeiro à raiz do problema. Estou contente por ter estudado engenharia, nem que seja apenas por me ter ajudado a desenvolver o pensamento lógico:

  • O que é que as pessoas precisam para viver no mundo atual?
    Dinheiro, basicamente (para comprar comida, casa e um bom serviço de saúde).
  • Como podes obter dinheiro se não o tens?
    A opção mais comum é, de longe, encontrar um emprego, portanto vamos assumir essa escolha.
  • E quanto dinheiro precisas de juntar?
    Bem, aqui não há uma resposta fácil!

Mas eu não consegui parar aqui. Claro que cada pessoa é diferente, mas nesta altura eu estava a pensar para mim próprio: como é que eu posso quebrar este ciclo? Quanto dinheiro preciso de ter de modo a aproveitar a vida como me parece melhor?!?!?!

Como referido anteriormente, eu precisava de ser capaz de pagar casa, comida e saúde para o resto da minha vida. Mais o dinheiro que for preciso para lazer e hobbies. Naquela altura defini para mim um objetivo de 2000€ por mês. Embora não me lembre exatamente como fiz os cálculos, cheguei a um valor de 500.000€ que, se investidos corretamente, deveriam dar um retorno de 2000€ por mês.

Aqui tive a resposta que precisava. Tinha agora um novo objetivo! Faria o que toda a gente faz, terminaria os meus estudos, encontraria um trabalho, e pouparia 500.000€.

Portanto fiz praticamente isso. Há seis anos atrás terminei os estudos, encontrei um trabalho e depois outro, do qual me despedi recentemente. Mas não poupei os 500.000€… A vida gosta de pegar nos teus planos e dar-lhes uma volta, especialmente porque não estamos sozinhos para executar os nosso planos perfeitos. Quase há quatro anos atrás conheci a Margarida, e desde essa altura estamos a tentar viver as nossas vidas um bocadinho menos ao contrário, juntos.

João

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *